sexta-feira, 24 de setembro de 2010

E seu sapato era grande demais para seus pés.

Faz três dias que eu não durmo direito, há piadas sobre o clichê que é escrever sobre insônia, mas quando não se dorme é necessário falar disso antes de perder a cabeça de vez.
Eu sinto que a minha vai explodir a qualquer momento, é como uma dor de cabeça tão forte que a gente confunde com ânsia de vômito o tempo inteiro.
E você tenta tirar algum proveito desses dias, mas eles passam e você nem se lembra, também porque as alegrias nunca podem ser admitidas, você só pode se mostrar triste, senão é como trair seu bem amado, é sempre sobre trair qualquer coisa que você não consegue mais materializar.
Onde eu deixei minhas chaves?
Eu não sei onde estão minhas chaves.
Tentar escrever quando se sente essa náusea é especialmente aflitivo.
Aliás, tudo é especialmente aflitivo, você descobre um problema na vista, você descobre que sua lâmpada queimou, não sabe se a música te faz bem, nem água, nem carinho, você vai se torturando instintiva e involuntariamente, até o primeiro tapa.
As pessoas sempre que podem te dão tapas físicos também, certas elas.
E te amam com tanta dor que você não sabe pra onde correr.
Não é que você pense em morte, mas talvez ela levasse com ela essas coisas todas, essas coisas insolúveis e angustiantes.
Que você procurou, e achou.

4 comentários:

Willy disse...

Amam e amo com tanta dor..
Já tinha visto seu blog, mas nunca tinha parado pra ler, começarei agora mesmo a voltar páginas! UASAUHS

Fernanda Hauptmann disse...

É eu achei mesmo.



Mas que saudades que eu estava daqui, fiquei feliz em aparecer :)

Caio Delcolli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jessi disse...

adorei o blog :)