segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Cara Antonia,
Recebi sua carta com um carinho de desconhecido.
Abri com cuidado e delicada curiosidade quando notei que você não tentaria matar-me com antrax ou mesmo magoar-me com qualquer palavra.
No desenvolver da sua carta notei que além de alguém adorável, você também era grata e respeitosa, como qualquer pessoa que eu adoraria tomar um chá e mostrar a localização da minha casa pra que "you can always come and visit us, now that you know the way".
Explico por aqui como na sua carta direta, alguém fez-me entender as coisas de maneira mais colorida e mutável, assim como tudo correu para você. E por isso poderíamos selar nossas cartas com abraços.
Sendo impossível selarei com tudo que eu puder fazer pra te mostrar o quanto significou.
Pouquíssimas pessoas fazem parte deste local, cara Antonia, e menos pessoas ainda vem para cá de forma tão possitiva.
Então obrigada.
Até mais e obrigada por todo o glitter.

2 comentários:

BVP disse...

Eh verdade, tudo tem a cor que a gente quer que tenha. Depende soh do que a gente escolhe como inspiração. Por vezes, olhando pra mim, senti vontade de pegar uma lata de tinta preta e jogar na minha tela, esperando ela escorrer ate pingar no chão. Foi ai que eu vi um colorido onde eu menos esperava ver e aprendi com ele pra que serviam as outras cores da minha paleta. Deu certo. A gente soh precisa ser lembrado que existe cor quando se tem luz. As vezes a gente esquece onde eh que acende. Beijo ferdi!

Juls disse...

^^. Vc é uma fofura foda;