terça-feira, 26 de junho de 2012

Amor próprio.

Eu acredito no amor.
Acredito muito, mesmo e principalmente por conta disso aqui.
Mas acredito também que antes do amor pelo outro (qualquer outro: pai, mãe, irmão, namorado, amigo) há que existir o amor próprio e se esse não existir, ouso dizer que nenhum outro existirá.
Esse texto não é pra divagar sobre se é possível ou não amar sem auto-amor, só quis começar dessa maneira porque tenho a terrível tendência a dar poder as pessoas.
Como assim?
Sabe quando alguém que não te importa tenta te ofender e te xinga ou coisa assim? Geralmente o que você faz é pensar "que babaca" e segue com a sua vida, esquece rapidinho.
Mas sabe quando alguém que você ama muito vem e faz a mesma coisa? Bem, nesse caso geralmente a gente se magoa, se sente ofendido e mais ainda do que a pessoa previu ou desejou que acontecesse.
Isso é dar poder.
É natural que nós demos poder as pessoas que amamos, natural que nos importemos com outras opiniões e bem saudável, acontece que só até certo ponto.
Você não pode deixar as pessoas te desestabilizarem só porque te conhecem bem e podem até ter razão em um ponto ou outro.
Mais que isso, você não pode convencer que suas intenções são boas.
Você não pode impor amor.
Se a pessoa não quer ser amada, não quer ser cuidada, não quer ser querida, por maior que seja o seu amor, emane-o, mas não espere que ele volte daquela pessoa.
Bem querer é uma coisa complicada, relações humanas são complicadas.. Como quando você vai fazer uma brincadeira boba com alguém e ela começa a gritar com você e te xingar porque você é uma idiota e você só estava lá tentando fazer a tal pessoa sorrir.
Enfim, enfim...
Decidi me amar mais, muito mais, dar mais poder a mim, muito mais e saber ponderar, não me deixar ofender tanto, não chorar por mais ninguém, a não ser que eu queira, a não ser que o choro seja por mim.
Decidi nunca mais compartilhar meu choro com quem não merece, de verdade, desliga o telefone, vai pro banheiro, sai correndo daí, mas não deixa que te vejam de nariz vermelho.
Eu sempre fui e sou muito mais importante pra mim do que qualquer pessoa que possa passar pela minha vida, pelo simples fato de que só eu sou minha companheira e amiga eterna, pro resto da eternidade só eu mesma estarei comigo. E tenho muito orgulho dessa pessoa que eu sou, eu tenho muito amor por essa pessoa e sei que ela merece o melhor, por isso, pra ela, o melhor.
Nada de estar em e alimentar relacionamentos e situações que me façam sofrer, que me diminuam.
Comigo quem transbordar amor, porque é isso que eu faço, transbordo amor e não mereço nada menos.

As pessoas que ainda estão comigo não são pessoas que eu chamo de amigos porque vão comigo no bar e falam de filmes ou qualquer outro pedantismo, é gente que se eu quiser ir no bar, vai comigo, se eu quiser só ficar em casa e ver filme, ficamos, é gente que eu fico dois meses sem falar com e a amizade continua lá, meio adormecida, mas viva.
Amigos mesmo.

8 comentários:

Tarissa disse...

a maneira com que você consegue se expressar é invejável! sem contar que você tem uma personalidade demais! :*

● allan dias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Allan Dias disse...

Quando estou um pouco triste faço uma boa caminhada, legal você ter o dom de se expressar assim, escrevendo.
Ótimo texto Ferdi.

Rá disse...

Esse texto é ótimo, porém tem o poder de desestruturar ainda mais a pessoa sem amor próprio - no caso, eu.
Eu realmente espero que você sinta tudo isso que foi descrito no texto porque é realmente muito lindo :)

Jubbie disse...

Você é um amor de pessoa, Ferdi. Parabéns pelo ser humano que você é. De coração. <3

Anônimo disse...

Eu acredito que você realmente tenha amor próprio e que muitos acontecimentos em sua vida lhe tornaram essa pessoa melhor que você é hoje. Nunca admirei tanto uma menina de 15 anos(agora, 20). Parabéns, Ainda espero pelo dia em que você voltará, Ferdi.

Talitta disse...

Oi! Assisti um vídeo teu por acaso (http://www.youtube.com/watch?feature=fvwp&NR=1&v=ZUN4C8kQTjM) e me interessei pelo Clube do Livro. Não sei se conseguirei participar ativamente. Mas gostaria de acompanhar.

E-mail: talitta_floripa@yahoo.com.br

Atenciosamente, beijos. Talitta

Wesley disse...

Ferdi, eu te amo