sexta-feira, 1 de julho de 2011

Trasgos, Pedras e Maricas.

Bang! Bang!
Chuva ácida que era só orvalho.
Bang! Bang!
E um massacre que era batata-quente.
Um telefone anunciando a morte. Da rosa que você ganhou ontem.
Essa sensação de que a vida perdeu o sentido. Por alguns minutos.
E sempre voltar ao
Bang! Bang!
Que não acerta ninguém.

4 comentários:

Garota Misteriosa disse...

Oi,

Acho que só temos essa sensação de "vida sem sentido" quado estamos sofrendo, quando nos decepcionamos com algo, quando o que queremos não acontece.

Enfim, mas viver tem sentindo, sentindo de aprender a sofrer, ou compreender, que o nosso sofrimento não é o pior e nem o mais grave, é apenas nosso. Aprender que só nos decepcionamos, pois criamos expectativas em uma pessoa que não era aquilo de fato. Aprender que se não está dando certo, sempre teremos a 2°,3° enfim, sempre podemos caminhar em uma nova trilha.

Abraços!

Venha visitar-me!!!

HugoCrema disse...

eu te amo demais minha gnoma, demais mesmo, tanto que às vezes eu acho que nós não conseguimos entender, e eu não consigo dizer. Mas ainda assim tá aqui no meu coração guardado o tanto que eu te amo, só saiba.

Lena Domingues disse...

Conheci você há tempinho, pelo cinco vlogueiros e pelo seu vlog próprio. Acho incrível como sua opinião pode ser agradável e ao mesmo tempo, provocativa. Seus textos são ótimos, tenho um muito parecido com o do repolho, mas o meu era "um elefante laranja de bolinhas roxas" contra "a população de elefantes roxos de bolinhas laranja". HAHAHA' Cuide-se, parabéns pelo talento.

Manuela Rocha disse...

Muito interessante esse estilo de escrever... como uma reunião de definições metafóricas de como gostaríamos de nos explicar ao nos sentirmos completamente perdidos por motivos completamente irrelevantes em comparação ao que se vive cotidianamente...
Ah, Ferdi, eu queria acrescentar também um comentário sobre seu último vídeo você havia dito que somente lia, que não escrevia... Tudo bem que você pode ter falado no sentido de algo mais "sério" ou "oficial" como literatura... Mas isso (seus textos) é, digamos, alguma coisa que eu, por ser leiga em literatura, considero alternativa, mas que mexe com o leitor de alguma forma... Então, acho que você é ativa sim nessa coisa de escrever, por mais que isso talvez não vá se encaixar em nenhuma categoria literária "oficialmente". E, só um último elogio, concordo com a Lena Domingues sobre as suas opiniões... Além de que você é original e provoca sem ser daquele tipo de "chato alternativo"...
Bom, acho que ta bom, né. Um abracinho e um velho "continue escrevendo assim que vai longe".