sábado, 27 de junho de 2009

Carta à uma de minhas mães.

Tia Sandrinha, Você acaba de sair de casa - mais uma vez pra fazer algo por outra pessoa - e eu acabo de ter a seguinte reflexão: "Quando crescer quero ser exatamente como a tia, tirando suas aspirações". Tirando suas aspirações porque são exatamente elas que te fazem sofrer, se não as tivesse serias a mulher mais feliz do mundo (mesmo com seu passado). Além desse seu espírito altruísta, uma das coisas que mais admiro em você é essa sua coisa de "Crescer sem jamais perder a ternura", sabe? Você é como uma menina, que mesmo com tudo que passou e que passa, tem sempre um sorriso no rosto e uma palavra amiga pra quem quer que seja. Sua bondade transcende o normal de qualquer bondade - é uma coisa exatamente Dona Flora de ser - e quando você diz que não deve ser desse mundo eu tenho certeza que não é. A sua evolução de espírito, sua justiça, sua paciência, todas essas coisas que nos momentos de amargura você não vê, são tudo que almejo pra mim um dia - sem muita esperança, já que não sou um ser que chegue nem perto da sua evolução, mas, por enquanto, sonhar não paga imposto. Sério, se eu pudesse, de alguma forma - e qualquer uma - te ajudar a perceber o quanto você é amada e especial como ninguém, se eu pudesse te fazer sorrir todos os dias, se eu pudesse - ou puder, nesse caso é só pedir que eu faço qualquer coisa - te devolver (ou te dar) toda felicidade que você merece eu o faria com a sensação de que já posso morrer por já ter feito algo de justo no mundo. Se alguém que eu conheço merece ser feliz nessa vida esse alguém é você. Esse alguém que não sabe dizer "não". Esse alguém que sempre faz tudo pelos outros e quase nada por si. Esse alguém que alegra com sua alegria. Esse alguém que não é perfeito, claro, porém que está quase chegando lá e eu tenho a honra de poder chamar de tia e mãe (se não chamo desse segundo é porque a minha própria morreria de ciúme). Eu nunca poderei esquecer o quanto você fez por mim e o quanto faz pelo Biel e, aliás, continua fazendo por mim, colocar suas bem feitorias para comigo no passado é um erro atroz, já que é a tia Candinha que, além de desde que me entendo por gente cuida de mim, me paparica, me leva pra lá e pra cá, me faz companhia, é amiga, amiga mesmo, amiga confidente, é a tia Candinha que eu sempre penso como mãe mesmo. Tipo "Se eu ganhar na mega-sena a primeira coisa que faço é viajar o mundo de balão com o Biel, a mama e a tia Candinha" ou "Queria tanto mudar de São Bernardo, bem que nós quatro podíamos comprar uma cobertura na Vl. mariana", você está sempre nos meus planos (por mais que não queira, há) porque você é equilíbrio e calma, você é a pessoa que qualquer pessoa sã quer ter por perto, eu poderia falar que tem das suas chatices, mas só as tem se eu tenho primeiro ou se alguém vai lá e quebra seu coração e esperanças, mas, óh, não há motivo pra desespero, porque se Deus errou você de mundo, pode ter certeza que ele foi desatento o bastante pra errar um bonitão também e achá-lo é só uma questão de tempo. Bem, eu sempre te falo essas coisas, mas um registro escrito vale como um documento, então quando eu estiver com minhas perças e filmes fazendo turnês pelo mundo e não puder te falar isso pessoalmente, você lê essa carta e mão esquece que eu te amo muito.
Da sua filha e sobrinha,
Ferdi!
27 de junho de 2009.
Está em cima da cama dela, pra ela ler quando chegar.

4 comentários:

Jenny disse...

Nossa, emoção alheia.:)

É sempre bom escrevermos para pessoas que significam para nós, sem precisar de data especial ou coisa que o valha, acho muito, muito válido, e você o faz com naturalidade, isso é muito, muito belo mesmo.

Um beijão

Lucy disse...

Emoção alheia (2)

Ler estas coisas me fazem lembrar da Ferdi que eu amo, da sensibilidade e carinho dela, e isso faz um bem danado...
Imagino sua tia lendo essa carta. Tenho plena certeza que a fez tremendamente feliz :')

Um beijo querida Ferdi

Lucy disse...

Emoção alhiea (2)

Ler estas coisas me fazem lembrar da Ferdi que eu amo, da sensibilidade e carinho dela, e isso faz um bem danado...
Imagino sua tia lendo essa carta. Tenho plena certeza que a fez tremendamente feliz :')

Um beijo querida Ferdi

Ferdi disse...

É, ela ficou sim, me agradeceu um bocado e essa gratidão me alegrou muito. (':