terça-feira, 2 de junho de 2009

Como conto pra amigos.

Ok, então eu acordei e fui buscar meus trabalhos (que realmente foram trabalhosos de se fazer) e, adivinha? Tinham ROUBADO. Exato, tinham roubado. Tipo.. PRA QUÊ? E que tipo de pessoa rouba TRABALHOS ESCOLARES? Fiquei muito furiosa, muito, muito mesmo. Daí deixei um bilhete mal educado no hall: "Caros condôminos, Favor só recolher as correspondências endereçadas a vocês. Violação postal é crime." Mandaria beijos, mas minha letra estava muito grande e disforme por conta do ódio e não coube, enfim.. Daí, como se não bastasse, minha mãe veio brigando comigo porque eu tinha ficado furiosa e estava criando um clima de fúria muito desagradável, estava carregando as energias e essa porcaria toda, ok. Fiquei com mais ódio, me enfiei nos fones de ouvido e comecei a ouvir uma banda muito horrorshow que fala sobre ultra-violence, prostituição, assassinato, incêndios e esse tipo de coisa boa pra se ouvir com ódio. Aí, de brincadeira e só pra me aliviar, comecei a matar as pessoas da rua, olhava pra elas e imaginava que eu tinha um machado e o direito de arrancar as cabeças das pessoas se eu quisesse, só salvei um senhor que tinha jeito de ser muito inteligente, de resto, matei todas, além de ter quebrado um monte de lojas com meu bastão de baseball imaginário e tudo mais, foi cem por cento e eu fiquei um bocado feliz. Mas aí, quando eu estava queimando uma fábrica, me veio um pensamento bem infeliz na cabeça, pensei que algum sádico desgraçado que nem eu podia incendiar a escola do meu irmão de repente, se quisesse, daí fiquei com ódio e meio deprimida, então pra aliviar comecei a pensar na minha peça, o dia da apresentação e tudo, as meninas estavam lindas, todo mundo muito bem arrumado e cheiroso, aquela coisa toda elegante de teatro, mas de repente minha imaginação foi acontecendo sozinha (ela sempre faz isso, parece um ser independente) e nessa imaginação eu via a peça da platéia, aliás, nem da platéia, eu estava de pé na frente do palco. O estranho é que não estava atrapalhando ninguém porque estava lá mas NÃO estava lá, é como se fosse eu um espírito. Então no final da peça as garotas iam ao microfone, muito emocionadas e tudo e colocavam uma foto minha no telão (essa: http://www.orkut.com.br/Main#AlbumZoom.aspx?rl=pc&uid=4838635002711753017&aid=1226129778&pid=1243563712031$pid=1243563712031 , pra ser mais exata) e depois começavam um discurso choroso sobre como gostariam que eu estivesse lá, explicaram que eu era uma atriz do grupo que tinha acompanhado todo o processo mas que, infelizmente, na reta final tinha sofrido um acidente de carro com minha mãe e morri. O engraçado é que um monte de amigos meus estavam na platéia mesmo assim, eles jogaram rosas no palco, choraram.. foi tão triste que eu acordei chorando do meu devaneio. É, eu sei, às vezes eu posso ser um bocado estranha. Mas daí eu fui numa lan house, imprimi meu trabalho e cheguei atrasada na aula. A sorte é que todo mundo chegou, inclusive a professora (e ela, graças a Zeus, mais do que eu), a única questão é que mudamos toda a estrutura do nosso programa e por conta disso todo o stress por conta do trabalho foi em vão, mas de qualquer forma tudo ficou melhor. Agora ao invés daquelas perguntas tontas vou poder entrevistar o RAFA sobre o "EXTREMAMENTE ALTO E INCRIVELMENTE PERTO", ok? Isso mesmo, estou até meio emocionada.. sério. Sem contar que ela falou que entrevistará o Marcelino Freire e quer que.. AIMEUZEUS.. quer que ESTEJAMOS PRESENTES! É, nós vamos conhecê-lo e presenciar a entrevista, digo, é uma possibilidade não confirmada, mas só dela ter cogitado.. é tão lindo.. sério.. e pensar que eu sentia medo dela antes. A Paula é um anjo, um anjinho lindo, é mesmo. :D Aí depois tivemos aula de montagem e foi legal e tudo. Amanhã vou levar o Biel comigo e depois do ensaio e das fotos (amanhã o fotógrafo vai lá pra fazermos as fotos da divulgação e tudo) vou levá-lo na Cultura e talvez o André nos encontre lá e.. ah.. poxa, amanhã tem tudo pra ser um dia ótimo, sério mesmo, estou zuper empolgads ok. Mas hoje levei um baita susto, baita mesmo, horrível.. Eu estava lendo sentada na calçada (porque lá bate sol e eu estava congelada) e as meninas já tinham ido embora, ok, tudo belo e tal eis que.. EIS QUE as três descem a rua correndo desesperadamente atrás de uma viatura. Pensei: oi? E fui lá, .. A Lê tinha sido assaltada, o cara estava com uma arma e ficou ameaçando ela e ela estava toda abalada e foi horrível.. As outras duas tiveram que ir embora, mas eu fiquei lá com ela, fomos na delegacia, fizemos o boletim e lá se foi minha tarde. Agora tenho que fazer três mil e duzentos trabalhos que não sinto a mínima vontade, mas já adiei demais e.. mesmo sem vontade estou com vontade, sabe? É que eu preferia assistir "Veludo Azul" ou coisa que o valha, mas não é de tudo ruim fazer os trabalhos, enfim..

10 comentários:

Estela disse...

Hahahaha eu ri do seu ódio sua matança descontrolada.
Boa sorte com os trabalhos e tudo mais, Ferdilinda :*

Jenny disse...

Eu também ri...
mas deprimi com a historia da morte...a do assalto também, odeio assaltos e morro de medo mesmo sem nunca ter sido assim, violentamente assaltada. ^^

Ps: sempre achei lente zuado a valer..prefiro a bela cor natural de seus olhos melis. :) Papo sério.

Um beijão.

Sinto saudades....e boa sorte em tudo do teatro...estarei lá dia 22. :D

Katrina disse...

Eu prefiro o lynch, hahaha

Ferdi disse...

Recomendo total matança em momentos de stress ok, é super válido!
Obrigada, Esteleids, obrigada mesmo..
Tudo está correndo bem até agora, mas se formar é uma coisa mesmo complexa, né?
Não falando de trabalhos, escreverei mais detalhadamente sobre isso em outra ocasião, há muito o que se dizer.

Adoro suscitar risadas, ok, fico feliz.
E foi deprimente mesmo, Nin, e real pra burro.
Morrendo ou não esteja lá dia 22 sim, se eu não estiver lá em corpo estarei em espírito [?].

É, o que me dá mais ódio não é o assalto em si, é nossa impotência perante esses acontecimentos e a possibilidade de ter PERDIDO a Lê pra sempre.
Sério, se isso tivesse acontecido eu comprava um bastão de baseball e descobria quem era o cara mesmo que nem ela saiba e matava, matava mesmo.. foi bom, de certa forma, até pra saber a dimensão do meu amor, que eu considerava algo tão extinto de mim e em situações limítrofes como essa se aflora de uma maneira única.
Eu amo aquela guria, amo de uma forma muito bonita mesmo.
Hoje o Biel foi no nosso ensaio e ela fica falando que parece mais com ele do que eu e notar semelhança nos dois me causa quase que uma esperança de talvez ser irmã daquela garotinha que, apesar de tão complicada e complexa, é tão absolutamente maravilhosa.
Isso é bom, é bom mesmo.. e de certa forma o assalto me ajudou a aflorar isso, tudo realmente tem um lado bom.

Obrigada, Nin, usar lentes é tipo pintar o cabelo, por mais que fique bonito nunca fica tanto quanto o seu natural..
Eu gosto de minhas lentes sim, uso às vezes pra ser "a boneca da Lê", aliás achei muito lindo ela me dar, achei mesmo.. mas eu descobri que meu olhos amarelos são únicos e só eles tem formato de flor, então eu fiquei feliz.
Olhos amarelos.. a Lê e a tia Sandra juram (sem uma saber do juramento da outra) que meus olhos são amarelos, não é engraçado?
Eu acho engraçado.
Enfim..

Estou com saudade também, sua manézinha, além da vontade de te socar, por não ter partilhado momentos tão bonitos comigo e com a Lucy, mazok.

O LYNCH TÁ FAZENDO UMA COISA MUITO RANDOM E OK, estava eu marotamente lendo meu jornal da manhã e eis que uma manchete "Lynch inova de novo" ou coisa clichê que o valha.
Ele está fazendo uma série de entrevistas com pessoas comuns (não sei sobre o quê e não sei o que eles consideram pessoas "comuns", but..) e colocando na internet.
Super estou curiosa.

789 beijos pra cada uma.

Marcus disse...

Olha...desculpa falar, mas já pensou em ser mais sucinta ou você acha mesmo que esses posts gigantescos são "bonitinhos"?

Tinha que ser amiga da Jenny. Começo a notar um padrão...hauhauhauhauha

Ferdi disse...

Desculpo sim, está desculpado, corazón.

Olha, na verdade acho que o título do texto explica bem o porquê da falta de objetividade.

Mas, não, responderei para "Marcus":
Acho uma gracinha textos grandes, fofo mesmo, um chuchuzinho, você não?

Poxa! Que lamentável, fiquei de fato mui mui abalada com essa observação e prometo, não não, ÓH, eu juro que vou ser mais sucinta da próxima vez, ok?
Aí você gosta de mim? :(

É, bom conselho, acho que não serei mais amiga da Jenny, viu?
Se você tá dizendo.. acho que vou te ouvir mesmo, obrigada pelo conselho.
Beijos, amiguinho :D

Marcus disse...

Mas eu não disse pra você deixar de ser amiga dela!!!

Só comentei que vocês tem o mesmo costume...você ficou muito na defensiva, criança. Acalme-se. E outra coisa...parece que você já me respondeu...hauhauhauahua

Jenny disse...

Gente o Marcus é jóia Ferdi.
Ele anima qualquer blog, é sempre divertido rir dele e tudo. :)

Ele nos ama agora, só perdemos mesmo pra Malu Magalhaes....^^

Ahhh e please...não deixa de ser minha amiga não, por favor, por favor ?? AUSHAUHSUAHS

1.000 beijos

Jenny disse...

Ahh e ele acha que aqueles textos pilulas imbecis sobre diarréia, ausencia de bicos mamários nas capas da playboy e outras escrotices da Juliana Cruzes são bacanas.

Tem mesmo gosto pra tudo de ruim nesse mundo.Papo sério.^^

Ferdi disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAHAHAHAHAHAHAHAHA.
Bicos de mamilos perdidos?
Poxa, Marcus, que crítico, amigão. :D