domingo, 4 de abril de 2010

Inpiração deprimida.

Dizem que tristeza inspira. Será mesmo?

Eu não sei muito sobre inspiração, sempre quis ser artista, fazer arte de alguma forma, mas ainda não consegui chegar nesse ponto.

Mas eu tento.

E tentando, muitas vezes muito triste, acabo por perceber que há mesmo uma diferença na qualidade dos textos, das músicas, desenhos e qualquer coisa que eu tente produzir quando estou muito magoada.

Uma qualidade diferente..

Que eu também alcanço em picos de euforia.

É engraçado.

É engraçado enaltecer tristeza, é triste.

É corriqueiro.

É embaraçoso.

Por quê?

Às vezes eu sinto como se o mundo inteiro fosse pesado demais e esse peso faz com que não consigamos sentir nada.

Absolutamente nada, o completo do vazio: o oco.

E esse oco nos choca tanto que preferimos inventar sentimentos.

Dentre eles inventamos nossa tristeza, que é muito mais frequentemente inventada, porque na eminência do oco sentimos por alguns segundos o gosto da tristeza, logo, é muito mais fácil reproduzí-la.

Então ficamos aqui tristes e justificamos nossa estagnação nesse deplorável estado com inspiração "Acostumei com a fossa, o lado bom é que escrevo melhor assim".

Acho que o lado bom, no final das contas, é que nunca há um lado bom.

É ou não é e fim.

Fim.

11 comentários:

Marcos Pinheiro disse...

também ando num estado parecido com os seu ultimamente. tanto é que no meu mais recente post, mandei todos tomarem bem no meio dos seus cus!

Andarilho disse...

Mas o oco é muito diferente da tristeza.

Enquanto o oco é vazio, e só suga (!) como um buraco negro, a tristeza joga as coisas pra fora. E nesse jogar, acaba saindo palavras, frases, obras.

Erica Ferro disse...

Ah! Dor sempre inspira, instiga a escrever justamente na esperança de parar de doer, de sofrer.

:*

Erica Ferro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Idiota disse...

E aí vem a tal da modinha de dizer que todos os artistas são bipolares.

Primeiro: extremamente idiota essa generalização de sentimentos (de terceiros, claro)

Segundo: por que hoje em dia vivemos oscilando intermitentemente nos extremos, com medo da estabilidade emocional? Queremos a euforia e, se não a conseguimos, caímos (infelizmente me incluo nesse clichê).
Acho boa a produção durante os dramas, mas às vezes invejo os engenheiros de emoções lineares...

bj

(PS: não é pra ter sentido, foi apenas um surto verborrágico. sorry)

Katrina disse...

Mas para se fazer um samba é preciso de um bocado de tristeza, senão não se faz um samba não.
Vinicius já dizia, não precisa encucar com a tristeza

- maria elis disse...

nunca consigo escrever quando estou triste, sempre borro o papel com lágrimas .-.

beijas fe :*

Erica Vittorazzi disse...

Hoje eu estava triste por algum motivo e não consegui escrever... nem sobre a tristeza!!! Vazio mesmo!

Mare Patinho disse...

"Eu não sei muito sobre inspiração, sempre quis ser artista, fazer arte de alguma forma, mas ainda não consegui chegar nesse ponto."

Ferdisinia, você é a pura arte, querida!
Escreve bem, desenha bem, atua bem (etc etc etc)
É um dos seres mais plenamente artísticos que o mundo já viu!
Eu diria que até o seu sorriso é arte *-* (das mais belas já vistas).

Ana Paula disse...

depois do "Por quê ? "
é a melhor parte eu não sei se você leu em algum lugar que eu escrevi
mas eu escrevi que não estava sentindo nada
e ai vem você com esse texto do nada , tristeza e o peso do mundo , meio que explicando o que eu sinto
"Às vezes eu sinto como se o mundo inteiro fosse pesado demais e esse peso faz com que não consigamos sentir nada.
Absolutamente nada, o completo do vazio: o oco.
E esse oco nos choca tanto que preferimos inventar sentimentos."

e se eu inventei o que sinto ? e se todo esse tempo eu nada senti ?
era nada , e ai eu simplesmente inventei um sentimento.
esses sentimentos ?

Não sei se isso foi um comentário . Só sei que isso me tocou de alguma forma . tchau

Gerundino disse...

minha pequena opinião sem valor???

Não acho que tristeza inspire... é q qnd estamos felizes não temos tempo para pensar.