terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Delírios e Tentativas.

Há quem fale e fale e não pare de falar e mesmo com a pessoa achando que explica tudo tão bem explicadinho você não entende nada, nenhuma palavra do que ela quis dizer, porque ela falou tanta coisa que você não sabe se ela falou a verdade ou estava só despejando informações praquele silêncio horrível não aparecer e quando essas pessoas falam que não gostam de você, você não entende nada porque por mais confuso que tenha sido a pessoa se esforçou tanto pra se manter em contato com a sua pessoa.
Há quem nunca fale nada e faça questão de ser extremamente monossilábico e distante, aí quando essas pessoas vem e dizem que gostam tanto e tanto de você, parece-te impossível de acreditar porque você espera que alguém que gosta de você não te ignore ou responda mal, quando responde.
E também tem as pessoas que estão sempre por perto de alguma forma, te cercando e querendo saber como você está, o que tem feito, por onde anda, muitas vezes elas não se dirigem a você pra receber notícias suas, mas você sempre acaba descobrindo que elas estiveram lá, querendo saber da sua saúde e existência, mas se você vai corresponder de alguma forma essas pessoas fazem questão de deixar claro que você as sufoca (e às vezes você só deu um bom dia, wtf?) e que é melhor você parar de persegui-la e ser obcecada.
Outras pessoas não te dão a mínima, não te convidam pra lugar nenhum, sempre estão com amigos melhores, mais engraçados e divertidos, nunca te perguntam como você está, não querem saber de você e nem sentem saudade, mas se por acaso um dos dois destrói a distância e o gelo a pessoa declara que sempre te amará e quando alguém random pergunta sobre pessoas que essa pessoa ama, mesmo podendo citar só 5 pessoas ela te coloca no meio e levanta uma bandeira de amor a sua pessoa.
As pessoas são tão confusas e diferentes que eu nunca mais consegui entender ninguém além das pessoas que se portam como a minha pessoa (que não é nenhum segundo menos confusa e complexa que essas que eu citei), antigamente eu dedicava tempo tentando me relacionar com os demais, mas era tão confuso e acabava por levar todo o azul do céu pra longe, então um dia eu ganhei um tapete mágico e chamei pouquíssimas pessoas pra voarem sobre ele comigo, pouquíssimas mesmo.. Engraçado é que duas delas em breve terão que pular de pára-quedas porque tem compromissos importantes em outros lugares, mas como quando terminarem tudo elas pegarão balões de gás-hélio e novamente me encontrarão no céu eu não posso jamais preencher essas vagas do meu tapete mágico. Sendo assim seguirei viagem um pouco sozinha por um tempo, mas não tem nada não, ainda me sobraram alguns companheiros que valem tantos diamantes quanto esses, então eu, meu cérebro e coração (que somos seres independentes), vamos sobreviver. Juro que vamos.

2 comentários:

Erica Ferro disse...

A gente sempre sobrevive. :D

Andarilho disse...

Pessoas são estranhas.