quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Teenagers.

Deitados lado a lado os adolescentes anestesiados pela bebida descobriam coisas em comum:
- Minha mãe é legal, mas odeio meu pai. - Não falo com o meu há 2 anos. Expulsei ele de casa. - Por quê? - Porque ele fazia chantagem emocional com meu irmão, meu irmão é bebê e ele é um filho da puta. Minha mãe não fazia nada. - Foda.. Eu tive que crescer mais rápido, eu tive que ser o homenzinho da casa.
Não eram coisas pra se falar para alguém que você acabara de conhecer, justamente por isso não falavam pra pessoas que acabaram de conhecer. Se conheciam desde muito pequenos, ele era vizinho da sua amiga, ela sempre teve uma queda por ele, ele sempre fora apaixonado por sua amiga.
Eles tinham se beijado algumas vezes quando era permitido, mas agora não era mais. Agora os dois não podiam se encostar, mas estavam tão juntos, ela sentia a respiração dele e vice-versa.
Era gostoso ficarem ali deitados trocando confidências com toda a proibição acerco deles. Ela sempre teve uma queda por ele, ele estava sempre com alguém da turma que não era ela. Ela queria escutar Bowie e ele gostava de Bowie, além dos dois ninguém do grupo gostava: - Deixa aí, só um pouco.
Os protestos alheios fizeram eles deitarem mais longe e ficarem lá, eles só queriam ouvir Bowie e conversar, eles só queriam dançar. Não, não queriam mais, já tinham feito todo o tipo de contorcionismo, agora era a hora que a bebida te fazia ficar parado vendo tudo girar devagar e ocasionalmente solavancando seu estômago como se pulasse um degrau. Eles riam muito.
- Vocês estão aí sozinhos por quê? Venham pra cá.
- Ah, não, venham vocês. - Não, desce aí, gente. - Ah não..
O papo estava bom.
Ela gostava do jeito como ele sorria, ele gostava do jeito como a boca dela se movimentava. Ele admirava as idéias dela, ela tinha medo de algumas das dele. Eles estavam evidentemente atraídos, mas a proibição era tão forte. Ele ficava com a irmã dela, impossível qualquer envolvimento, certo? Ele já até havia dito que gostava da irmã dela, que estava apaixonado, embora não estivesse.
A irmã dela não dava a mínima, jurava não dar, dizia de boca cheia "Estou pouco me fodendo", mas se vendo assim ameaçada decidiu que era ele o homem da sua vida e fez de tudo pra sua irmã se afastar: "Eu só não admiti antes porque sou orgulhosa, sempre o amei". Ela era quatro anos mais nova e não amava ninguém, só queria ser a mais amada, a mais desejada e a mais querida, sua irmã mais velha sabia disso, sabia que garotas novas são assim, aliás, que garotas em geral tinham essa competição ridícula, grotesca, mas jamais esperaria isso da sua própria irmã, a irmã que ela sempre foi tão devota, sempre incentivou tanto, sempre foi tão amiga, ela não..
Mas, sim, ela sim. No final das contas ela era como as outras. Resolveu que ficaria com esse garoto e o garoto, por sua vez, ia ficando, ia se aproveitando. Talvez não fosse especial para ele como pareceu para ela aquele momento deles, talvez ele nem se lembre que o tiveram. Mas ela nunca ia esquecer da embriaguez, dos sorrisos inevitáveis, dos rostos juntos demais e das mãos que se tocavam com inocência e admiração.

Contou, chateada, a história boba pra uma amiga e ouviu o que sabia ser verdade, que por mais que ela quisesse, que por mais que ela tratasse assim, sua irmã não era diferente das outras meninas da idade dela, sua irmã não era mais especial que ninguém e não fazia por mal ou se fazia, não sabia que o mal era assim tão grande.

"Ela chegou primeiro, minha querida..", disse sua amiga com uma voz terna e ao mesmo tempo ligeiramente cômica, "O problema de ser retardatário é que não há nem como reivindicar..".

E ela tinha razão. O que a menina poderia fazer? Adolescentes.. Garotas..

11 comentários:

JaqueFonseca; disse...

Tanto homem no mundo...

ana wants revenge disse...

Me acabando de rir do comentário da Jaque!

Ah,fase boa essa...
Amores, amores. O tempo passa e frio na barriga continua.

Beijos :)
.
.
.

Marcelo Mayer disse...

por isso que é uma época de frustrações. malditos teens. tanta coisa mais legal para se fazer nessa idade.

Erica Ferro disse...

"O problema de ser retardatário é que não há nem como reivindicar.."

Ow yeah!
E como é desagradável a impossibilidade de reivindicar.

Beijo, Ferdi.

Enrique Coimbra disse...

"Ela chegou primeiro, minha querida..", disse sua amiga com uma voz terna e ao mesmo tempo ligeiramente cômica, "O problema de ser retardatário é que não há nem como reivindicar.."

AHUAHAUHA EURI
Texto legal, menine.

Maira disse...

E quem é esse vizinho hein Fe?! hiusahiushiuahsuhau

Tiburciana disse...

Amores juvenis os piores
bjos

Idiota disse...

Auto biográfico?

Fê Colcerniani Justo disse...

Hum, por isso que digo, adolescentes dominaram o mundooo! Adorei
Bjs

Bia Ferreira disse...

que irmã malvada!!! merece que sejam malvadas com ela também.. não tenho irmãs, mas tenho amigas, sei como é isso.. rss
mas na minha época a gente dividia numa boa.. rssss agora que tô egoista.. s

- maria elis disse...

até hoje vivo meus amores teens *--*
são tão sei lá, mas eu gosto (:

beijas fe :*