sábado, 27 de março de 2010

One, two, three, four..

Eu odeio a maneira como você finge não entender nada, eu odeio quando você foge de mim.
Eu odeio ter que te odiar por não ter mais o seu amor e odeio que você nunca tenha me achado bonita.
Eu detesto a sua forma paciente de falar comigo e abomino o fato de ser sua amiga.
Eu não quero que você venha ler isso e não quero que você tenha como função social me fazer sorrir. Olha, eu odeio, odeio muito ser a pessoa que eu sou e os grandes responsáveis por isso são vocês. Vocês dois.
Você, a louca, a odiosa, qualquer pessoa a minha volta sabe o mal que você me faz.
E você, o anjo, você, minha versão masculina, você.. você que é tão ideal.
Mas meu coração tem, porque sente semelhante.
Coração não pensa, sabiam?
Ele não pensa e é como se pensasse, pensasse sempre no nosso mal!
Então você vem e me diz tudo que eu abomino enquanto ele vem e diz tudo que eu quero ouvir.
E a amizade dele pra mim é meu oásis, meu porto seguro e tudo que eu sei, ele sabe tudo sobre nós duas, você não sabe nem o nome dele, você não sabe mais nada sobre mim, ele sabe até o que eu comi hoje de manhã e sabe dizer o que eu preciso ouvir antes de dormir, ele sabe conversar através de histórias e me mostrar coisas excelentes, ele sabe me magoar também, muito, mas sabe curar todas as mágoas e ele é simples e sempre entende o que eu falo, mesmo quando não entende, diferente de você que gosta de se fazer de sonsa, gosta de pecar por omissão, de fingir que não sabe do que se trata, você disse:
- Não precisa ser antipática.
- Não estou sendo antipática, estou sendo sentimental. Eu respondi.
E essa é a última resposta que você obterá da minha pessoa, enquanto ele pra sempre vai estar comigo e vai saber de absolutamente tudo, será meu amigo, compadre e depois meu filho, quando eu precisar roubar uma casa.
Quando eu dei tchau e disse que o amava esperei pra que ele dissesse que me amava também, então, ao invés de ir dormir, como tinha dito pra ele que ia, fui ver mais um filme, porque você sabe, eu vejo muitos filmes.. Se bem que, não, disso você não sabe.
Ele sabe.

15 comentários:

Idiota disse...

Usando meu santo nome em vão!

Expurgando demônios?
Adiantou?

Andarilho disse...

Quando as pessoas sabem demais, pode ser perigoso.

Jéssica Trabuco disse...

Confuso?
rs..

Mulher na Polícia disse...

Nossa!!!

Você escreve como pensa!
Adorei sua expontaneidade.

Mas esse comentário do "Idiota" aqui em cima também está à altura do post!

: )

Camila disse...

não odeie, não faz bem pro coração

Erica Vittorazzi disse...

Cuidado com as pessoas que sabem muito sobre você!!!

Erica Ferro disse...

Às vezes é melhor que certas coisas sejam desconhecidas de algumas pessoas, são nossas armas, nossos segredos. Nossa defesa.

Marcos Pinheiro disse...

olá!? te achei na comunidade do pc siqueira. agora to te seguindo e aparecerei sempre por aqui. por enquanto é isso. tchau!

Marina Cavalcante Lacerda. disse...

HAHAHA, amei o jeito espontaneo como vc escreve. amei mesmo.
aah! Eu li o post Bem Entendido e nossa, não sei se aconteceu com vc ou se é ficção, mas se continuasse daria um livro e eu o compraria. De verdade, parecia um capítulo de um livro :D hehe. Beijos!

Estou a te seguir :)

Tiburciana disse...

. five
passa a raiva ... passa oa amor bjos

Demétrius Daffara disse...

E às vezes, você sente medo porque sabe que um dia ele não estará mais aqui. E tudo bem. O coração é racional, é destruidor. Ele sabe o que faz. Ele tem mais razão do que a razão em si. Ele ensina a razão como sentir. E não há nada que a razão diga que ela não tenha aprendido com o coração.

Enquanto amar for uma religião, uma crença mística e absolutamente (absolutamente) pessoal, estaremos sempre um passo mais perto de atingir a iluminação. O coração permite errar, ele é suscetível a erros. Ele dá experiência, visão de mundo, abertura. A razão contabiliza, repete, descreve. O coração sofre. A razão controla.

Não há uma medida. Há a paciência e sabedoria que lutam contra urgência em que estamos todos inseridos.

É difícil encarar o presente-futuro quando ele se torna presente-passado. É difícil encarar o presente. É difícil não idealizar e não desistir.

Mas o coração aprende. E no seu tempo, vai ensinar a razão.

Marcos Pinheiro disse...

deixei um recado no meu blog aos que criticam novos vlogs. dá uma olhada: http://pontodecontinuacao.blogspot.com/2010/03/vlogando-conversa-fora.html

ah... e me passa por favor o título do video em quem você aborda este assunto!?

Anônimo disse...

É, mas eu acabei lendo.
Como deveria agir?
Para mim você se esqueceu que
existo, enfim. Lembro dessa última
conversa.

Mare Patinho disse...

Você deveria mesmo escrever um livro, é triste saber que tem mais coisas aí nesse cérebro pensante que nunca saberei :/

sarah disse...

às vezes quem sabe menos da gente, entende mais o pouco que sabe.