terça-feira, 16 de março de 2010

A Crítica.

Não sei se é de conhecimento geral, mas eu sou atriz. E estou em cartaz com uma peça chamada "O Livro dos Sonhos". Então, passeando a pedidos da crítica, li pela primeira vez as impressões de alguém que "sabe o que fala" (digo isso porque a Monica, no caso escritora da crítica) é atriz há mais de 20 anos. Bem, eu fiquei muito feliz com o que li e resolvi compartilhar, eis aqui o texto dela na integra: "Muitos têm me cobrado porque neste espaço não escrevi nada de teatro... ainda...
Pois é: não tenho visto quase nada de teatro, este é o ponto.
Mas... como não mandei e-mail desta vez, nem fiz qualquer outra divulgação, poucos também viram a Maira em O Livro dos Sonhos - infantil em cartaz no Teatro Ruth Escobar, sala Miriam Muniz, sábados às 17:40.
Bem, a peça é um mimo. Brinca com as mídias: traz projeções pontuais, divertidas e muito bem exploradas, de um lado; e um áudio que, honestamente, daria pra caprichar bem mais e melhorar um bocado. As crianças se divertem, e o trabalho deve ter vários méritos: adultos também costumam gostar - eu sou suspeita, obviamente.
A montagem traz 3 atrizes bem jovens que se alternam em personagens ora conhecidas, ora desconhecidas do público em geral.
Bonito ver: elenco totalmente jovem segurando a peteca, e só meninas em cena - o diretor também é relativamente jovem .
Nos bastidores da peça e, nas esticadas pelos cinemas da vida (de novo... sorry), tive o prazer de conhecer uma das criaturas mais inteligentes que eu já vi 18 anos vividos por estas bandas produzirem. E olha que eu conheci muitos 18 anos vida afora, uma vez que trabalhei com eles por quase 20...
Ferdi Mandonça, atriz principal, quer completar a lista de Fellini, Buñuel e Bergman (todo mundo simplifica o nome do cineasta cortando as dobras consonantais, aderi também). Ela passa 12 horas num único dia estudando teatro. Troca idéias comigo como se já tivesse assistido a quase o mesmo tanto de filmes que eu, clássicos inclusive, imperdíveis principalmente.
Fernandinha é uma desses encontros raros com os quais nos sentimos privilegiados.
- Pensaram que eu ia escrever sobre a peça só pra elogiar minha filha?
(E precisa?...)
Pois é. Faltassem outros motivos para assistir à peça, já bastaria este: a oportunidade de conhecer a pessoinha incrível que atende pelo nome de Lena enquanto desfila os longos cabelos loiros pelo palco.
Tem mais: entre encontros com o engraçado coelho que sofre de estresse por estar sempre atrasado, um certo Capitão com medo de tc-tac, e o Lorde dos sonhos, Lena visita a mais linda sereia que estes olhos já viram.
É: apesar de não constar seu nome na ficha técnica, que não está atualizada no link de serviço do teatro, nem aparecer sua carinha na foto de divulgação, é a Maira quem faz a sereia vestida num figurino super original e que a deixa maravilhosa.
- Pronto. Elogiei.
Também, o que esperar, não é? Mãe...
Então, resta devolver a 'cobrança': finalemente falei um tico de teatro aqui.
Agora simbora assistir a Lena-Ferdi e a Sereia-Maira... antes que acabe.
- quando/se eu conseguir, incluo aqui uma foto da Maira de sereia, claro..."
E visitem o blog dela (onde saiu a crítica) que é fantásico!

7 comentários:

- maria elis disse...

agora eu fiquei com vontade de ver a peça *--*
vem apresentar ela aqui na cidade que eu moro?! '-'

beijas fê :*

Erica Ferro disse...

Ferdi, acho que já sabia que você era atriz, mas agora eu fiquei muito mais interessada em ver você atuando. *-*

Beijo. ;)

Lelli Ramz disse...

Olá querida!

Parabens pela profisssão linda.. e exigente q tens


unh criticas


adorei... super curiosa agora!

bjinhus

Lelli

Glauco Guimarães disse...

Ferdi, coloca o serviço da peça no post tb. Onde é, quanto custa, classificação... bjs e parabéns

Rafael disse...

AEEEEEE
Moito bon, fikou óctimo
Parábenes

Erica Vittorazzi disse...

Prabéns Ferdi, realmente você é uma detas pessoas fantásticas que deve valer a pena conhecer.

Beijos

ana wants revenge disse...

muito legal!;)
deixou todo mundo curioso pra saber os detalhes hein!

muito sucesso!
beijos
.
.
.