quinta-feira, 30 de julho de 2009

Pollyana.

Era uma vez uma garota. Ela costumava odiar tudo que podia ser odiado nela, era um costume, uma defesa, assim não se decepcionava, costumava dizer: "Das minhas decepções o resto do mundo já dá conta". E assim o era. Todos que ela conhecia a decepcionavam mais cedo do que o normal. Ela sempre deu o melhor de si: "Não que você mereça o meu melhor, é muito pouco" e por isso esperava o melhor dos outros, que até tentavam, mas o melhor nunca era suficiente. Uma pessoa que não se ama tampouco consegue amar outro alguém, pois, todo bom movimento em prol da felicidade alheia é só uma tentativa de parecer amável pra si. Ela gostava de ballet e música clássica. Tinham muita coisa, mas sempre faltava, estava sempre se sentindo completamente desamparada e vazia. Conheceu Miguel no dia que pensou seriamente em suicídio pela terceira vez, ele disse: "Gosta do que você tem e ignore o que te falta". Ele só falou isso porque é o que costumava fazer. Pollyana pensava um bocado. E soltando bolhinhas de sabão se perguntou de onde vinha a tristeza e por quê? "Ignora o que te falta", ela estava sempre querendo outra coisa, se jogava xadrez queria bolhas de sabão e vice-versa. Então ela viu as bolhas e viu que naquele momento soltar bolhas de sabão era o que ela mais queria, amou o que tinha. Desde então: "tédio", "tristeza" e "ódio", foram banidos do seu vocabulário. Passou a sentir vontade de viver. E por não esperar nada, não decepcionava nunca. Entendeu que não era uma menina qualquer e passou a amar o que podia ser, não que fosse o bastante, jamais será para ninguém, mas: "É o que temos por hoje". Passou a dizer bem humorada para seus amigos, que passaram a achar o de hoje muito mais atraente que o de antes. Miguel era cego e estava no ponto de ônibus: - Você precisa de ajuda? - Que voz triste! - A minha? - Sim. - Hum.. eu sou triste. - Você É triste? Que raro, a primeira pessoa assim que conheço! - Você não deve enxer.. hm.. existe um bando de gente infeliz pelo mundo. - Sim, temporariamente, claro, você é a primeira que é assim, como uma condição. Eu, que estou cego, nunca disse que era, por menor que sejam minhas chances de recuperar a visão. - Bem, você não precisa de ajuda, ? Vou indo. - Gosta do que você tem e ignore o que te falta. Ela nem olhou pra trás.

8 comentários:

Kooiti disse...

:O Você escreve muito bem, e tem várias postagens, vou dar uma lida nos mais antigos. Vou te seguir, tah ? Beijos

Luis disse...

Polly diz que suas costas doem talvez ela esteja tão entediada quanto eu. Bela Pollyana, voce ainda não me disse como conseguiu banir aquelas palavras do seu vocabulário.

Jenny Souza disse...

Sinto saudade dos comicos, prontoconfessei.

Beijos.

Marcel Land disse...

Que falta de educação. Fui gentil com você. O que poderia esperar de uma piveta de 17 anos?
Gosta do Lula? parabéns pela burrice.
aposto que é socialista, mais uma patricinha socialista.
na boa, vai tomar no cú, sua vaca.

Ferdi disse...

Gentileza sua, Kooiti.
Dá uma lida sim, talvez você mude de opinião sobre a qualidade, hahaha :*

Contei, foi um menininho, mas agora perdeu a graça.
Sua droga! Digo, minha droga.

Quais comicos?

ass.: no fun

Como argumentas bem, caro sociólogo, rs

Jenny Souza disse...

ahhh muitos, eu lembro que já ri muito alto lendo seu blog, mesmo.

gosto desses também, mas os comicos fazem falta... ^^

beijos

Jenny Souza disse...

Nossa o Marcel é um gentleman hein...cada dia mas impressionada com a educação das pessoas. :)

Ferdi disse...

Ah é?
Poxa, nada muito JÁ SEI, não é comico, é divertido só, digo, eu acho..
Vou postar e você vê.

Só porque ele tem um blog inteiro direcionado a falar mal do LULA - original que só - e eu ri porque gosto de leigos tentando parecer sociológos.
Poxa, nem fui mal educada, só uma risadinha.
Maaaaas..