domingo, 26 de julho de 2009

Você devia mesmo ver quantas alegres cicatrizes..

Estava andando por um parque simpático, simpático, vi um senhor fumando um cigarro de palha, ele me viu também e eu sorri dizendo "Bom dia", ele respondeu "Bom dia, menininha" e sorriu simpático também. Eu parei. Olhei praquele senhor e senti um enorme carinho, fui até a árvore mais próxima e comecei a bater a cabeça violentamente nela, até desmaiar. Antes de desmaiar observei que o senhor me observava com uma expressão de educada curiosidade, pude ver que ele apagou o cigarro e se acomodou melhor no banco pra apreciar aquela cena nada usual. Quando eu acordei, umas 3 horas depois, ele não estava mais lá, agora uma menininha chupando um sorvete colorido me olhava com grandes olhos azuis e risonhos, eu levantei, limpei a roupa como deu, tentei ser simpática "Está gostoso?" ela perguntou se eu queria um pouco, neguei agradecendo e segui. Eu estava num estádio de futebol, o time pro qual eu estava torcendo fez um gol, eu, na minha empolgação juvenil, me joguei do alambrado, alguns torcedores deram risada no meio da comemoração e eu fiquei lá assistindo o jogo sem muita visibilidade já que quebrei as duas pernas e não consegui levantar. Meu time ganhou, valeu a pena até me arrastar pelos dois quilômetros que separavam meu estádio de casa pra voltar. Eu estava na escola, a professora me pediu pra fazer um exercício muito complexo na lousa, me levantei e não demorei três minutos para conseguir fazer, então eu peguei uma caneta e enfiei no meu braço com força, várias e várias vezes, fiz buracos fundos, sangrou muito, um que eu fiz na mão até atravessou a mesma. Meus colegas de classe e professora comentaram que eu devia ser alguma espécie de gênio pra saber fazer aquele tipo de exercício com tanta facilidade, até ligaram pra minha mãe pra que ela também soubesse o quão esperta sua filha era. Cheguei em casa e ela riu pra mim um bocado, minha mãezinha é muito bem humorada e orgulhosa, mas me mandou limpar as poças de sangue que ficaram pela casa quando eu passei. Eu tinha um namorado e um dia ele me deu um balão de gás hélio em forma de coração, era vermelho, ele sabia que aquele balão era meu sonho, eu fiquei tão feliz, mas tão feliz.. Pedi pra ele esperar um segundo, ele ficou sentado no banco da praça me esperando enquanto eu fui até uma lojinha de materiais de construção, acho que um metro e meio basta, "pra quê?" a curiosa vendedora perguntou, "uma surpresa pro meu namorado" respondi sorrindo, ela sorriu também e disse "seus olhos brilham tanto, que dure esse amor". Saí da loja e fiz tudo bonitinho, fui por trás dele, subi na árvore, ajeitei tudo.. "Hey, amor, olha pra mim!" gritei feliz. "O que você está fazendo?" ele perguntou intrigado e sorrindo. "Retribuindo seu gesto, seu bobo, o que mais? Obrigada", então eu coloquei a corda no pescoço e pulei.

2 comentários:

Luis disse...

Que engraçado. Muito bom, aliás, eu não tinha visto ainda o novo layout, ficou mais bonito que o anterior.

Ferdi disse...

Segunda pessoa que acha graça e.. hum..
OBRIGADA! *-*
Aliás, senhor Luis.. olha o horário que saiu seu comentário, AHÁ! :D